O poetar de Manoel de Barros (I)

Manoel de Barros: sem margens com as palavras

Resumo: este artigo pretende mostrar como o poeta Manoel de Barros exerce o poder de criar, por meio do discurso poético, um universo próprio e também como ele desenvolve temas caros à lírica moderna, a exemplo do diálogo com a tradição literária, do caráter auto -reflexivo da poesia, dos des-dobramentos do sujeito lírico em diferentes eus, da estética do fragmentário, da negatividade e da identificação com os seres mais ínfimos. Será tomada como corpus de forma mais específica, a obra 'Retrato do artista quando coisa' , além de outros textos do conjunto da obra do poeta pantaneiro.
Palavras-chave: Lírica moderna, Manoel de Barros, Tradição literária. Linguagem

Temos que enlouquecer o verbo, adoecê-lo de nós. (Manoel de Barros)

Quero o feitiço das palavras. (Manoel de Barros)

Manuel de Barros, sincronizado com a sua época, desenvolve, além de um estilo único, temas caros à lírica moderna. Em sua poesia, percebem-se o ludismo da linguagem, a consciência artística e o diálogo com a tradição literária; o caráter auto-reflexivo da poesia; o desdobramento do sujeito poético em vários outros eus; a estética do fragmentário; a opção pelo insignificante, pelo seres mais ínfimos e a linguagem do des-, da negatividade.

Um primeiro ponto da poesia barreana que vale ser ressaltado diz respeito ao poder de criançamento dado à palavra, ao modo como confere ludicidade à linguagem. É o que explica Manoel de Barros (1994, p. 17), ao expor suas ‘ignorãças’ poéticas, na obra O livro das ignorãnças:

O delírio do verbo estava no começo, lá
onde a criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não
funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um
verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta, que é a voz
de fazer nascimentos –
O verbo tem que pegar delírio.

A teoria expositiva do delírio verbal, nesse poema, é apenas um modo de se evidenciar a consciência da arte de infantilizar a palavra, pois, ao longo de toda a sua obra, essa é uma prática constante. No empreendimento de mudar a função do verbo, criança e poeta se equivalem. Veja-se como a voz do poeta é a voz da criança em várias passagens de Retrato do artista quando coisa: “Uma rã me pedra”; “Um passarinho me árvore”; “Os jardins se borboletam”. Por trás dessa aparente falta de lógica, comum na linguagem infantil, esconde-se uma profunda consciência da criação poética. O poeta inicia o poema em que se encontram as mencionadas passagens, dizendo que “Bom é corromper o silêncio das palavras” (BARROS, 2002, p. 13). Ao serem verbalizados, os substantivos ganham dinamismo e o silêncio da palavra é corrompido. Dispondo da mesma liberdade que tem a criança no manuseio da linguagem, o poeta faz com que a pedra deixe de ser o mineral estático e ganhe movimento na poesia. E ainda: os sujeitos desses substantivos-verbos exercem o papel que deveria ser do sijeito lírico. Isso faz com que este se torne objeto (no plano sintático e semântico), “coisa” e, consequentemente, também objeto de poesia. Veja-se:

Uma rã me pedra. (A rã me corrompeu para pedra. Retirou meus limites de ser humano e me ampliou para coisa. A rã se tornou o sujeito pessoal da frase e me largou no chão a criar musgos para tapete de insetos e de frades) (BARROS, 2002, p. 13).

Essa consciência criadora é que faz a grande diferença. Ao alterar a lógica sintática e semântica das estruturas linguísticas, Manoel de Barros cria uma lógica própria, uma pré-lógica e afirma o desejo de “eterno retorno” de que fala Nietzsche, a volta ao estado inicial e principalmente confirma a idéia de que a poesia “tem a função de pregar a prática da infância entre os homens” (BARROS, 1990, p. 311).

Assim, o motivo lúdico faz ultrapassar os limites da lógica; abolir a intenção de pura comunicação linguística pura e transcender a goma ará- bica da língua cotidiana, fazendo o verbo “pegar delírio”, como o próprio poeta afirma.

Para levar ou elevar ou enlevar ao máximo grau esse criançamento da palavra, Manoel de Barros cria, sorrateiramente, em Gramática expositiva do chão (1980, p. 127–8), poeminhas pescados numa fala de João:

Nain remou de uma piranha
Ele pegou um pau, pum!,
na parede do jacaré…
Veio Maria-preta fazeu três araçás pra mim.
Meu bolso teve um sol sem passarinhos.

O poeta do chão usa as falas de crianças como porta-vozes para se chegar ao mundo mágico da poesia, lá onde é inteiramente permitido fazer brinquedo com a palavra e utilizá-la “como se ela tivesse acabado de nascer, para limpá-la das impurezas da linguagem cotidiana e devolvê-la ao seu sentido original” e para “restituir a virgindade a certas palavras ou expressões” conforme declara Manoel de Barros (1996, p. 310) a José Otávio Guizzo.

Importante ressaltar que essa opção por uma linguagem lúdica, pura, livre, nem de longe retira do poeta o traço de complexidade que impulsio- na o artista moderno. Muito ao contrário, Barros (2002, p. 21) usa certas imagens que beiram o incompreensível: “Faço vaginação com palavras até meu retrato aparecer. / Apareço de costas. / Preciso de atingir a escuridão com clareza./ Tenho de laspear verbo por verbo até alcançar o meu aspro”. Ao se referir à necessidade de atingir “a escuridão com clareza”, o poeta vai ao encontro do que Hugo Friedrich chama de “obscuridade intencional” (1978, p. 16), quando se refere à lírica moderna. Curiosamente, a maior carga de significação da linguagem parece residir no espaço mais obscuro. João Alexandre Barbosa (1986, p. 26), comungando com esse ponto de vista, assim opina:

O poeta, ao ler a realidade através do poema, constrói um espaço em que a linguagem não oferece transparência imediata: a sua univocidade está limitada pelo jogo possível das imagens utilizadas.

Um outro ponto a ser destacado na poesia de Manoel de Barros é o objetivo, em se tratando de linguagem literária, de renovar as mesmices e de fugir à esclerose dos lugares-comuns. Para tal, ele recorre a um processo permanente de reinvenção da linguagem, de desautomatização do discurso.

Manoel de Barros se posiciona como um autêntico contraventor do vernáculo, objetivando exatamente o resgate das palavras ou expressões que “estão morrendo cariadas, corroídas pelo uso em clichês” e, nesse ponto, ele não poupa nem a bíblia. Em várias passagens de Retrato do artista quando coisa, o poeta estabelece um diálogo com a bíblia, especialmente com as passagens bíblicas que de tanto uso já caíram num discurso automático. Logo no poema de abertura da obra (vale lembrar que os poemas não são nomeados em RAQC), o poeta diz, no 4o verso: “Já posso amar as moscas como a mim mesmo” (BARROS, 2002, p. 11). Ao substituir o termo “próximo”, conforme originalmente se encontra em um dos Dez mandamentos bíblicos, por “moscas”, o poeta, além de afirmar sua função coisa, a sua identificação com os seres mais ínfimos e o “cio vegetal na voz do artista”, também parodia a bíblia, desconstrói o sagrado, num intencional gesto de profanação e abala o lugar-comum. Na passagem “Pote Cru é meu pastor. Ele me guiará”, o poeta pantaneiro subverte o salmo 23, pois em lugar do Senhor (Deus) coloca um mendigo que “deambula” entre “trapos, panos de regra, couros de rato ao podre, vísceras de piranha, baratas…, etc, etc.” (BARROS, 2002, p. 25). A mesma subversão ocorre em “Só não desejo cair em sensatez” (BARROS, 2002, p. 61). O poeta, ao substituir “sensatez” por “tentação”, coloca um termo diametralmente oposto ao de uma das orações mais comuns da tradição católica — o Pai Nosso –, na passagem “Não me deixeis cair em tentação”. Ora, mais uma vez, Manoel de Barros transgride, lucidamente, não só o discurso em si, mas o discurso automatizado, “estadado”- tomando de empréstimo um termo de Guimarães Rosa.

Nesse mesmo sentido, o poeta declara em Livro sobre nada (1997) que não gosta da “palavra acostumada”. Com o propósito de desacostumá-la de seu sentido comum, recorre, então, em uso e abuso aos neologismos. O poeta pantaneiro quase que se limita a criar suas palavras novas por dois processos: o deslocamento da classe gramatical da palavra — verbalizar um adjetivo ou substantivo, por exemplo, como em “imensam”, “analfabetam”, “monumentar”, “embostando” — e o acréscimo de prefixos, especialmente do prefixo ‘des’ — como em ‘despalavra’, ‘desherói’, ‘deslimites’, ‘desutilidades’, ‘desbrincar’, ‘desobjeto’, ‘desacontecido’, ‘descomeço’, ‘dessaber’. Este último processo, que é bastante recorrente no poeta, coloca-o em afinamento com uma característica comum na lírica moderna: a negatividade. A poética do ‘des’– faz prevalecer o signo do ‘não’. Há uma variedade de signos que conotam negatividade, pequenez, coisa ínfima, insignificante nos poemas de Barros. É o que se observa em ‘inutensílio’, ‘nada’, ‘ocaso’, ‘escuro’, ‘cisco’, ‘chão’, ‘couros de rato ao podre’, ‘ruínas’, ‘escurecer’, ‘formiga’, ‘fado’, ‘menos’ e em outras tantas.

Barbosa (1974, p. 108–9), ao tratar dessa negatividade na poesia contemporânea, em artigo sobre Carlos Drummond de Andrade, atribui-a a um redimensionamento dos valores herdados da tradição:

A poesia já não é, portanto, arte da linguagem: o seu módulo passa a ser anti por excelência. Negando-se, para afirmar o espaço que ficou por preencher. O espaço tolhido pelos escolhos de uma tradição que se tenta recusar, mas que se infiltram traiçoeiramente pelas frestas da própria linguagem.

E também, nesse sentido, Hugo Friedrich (1978) refere-se às “categorias negativas”, presentes no poetar moderno, que resultam na dissolução do que é corrente, na fragmentação, na poesia despoetizada, nas imagens cortantes, tal como ocorre na poesia barreana.

Mas, se como afirma Drummond, “a poesia mais rica é um sinal de menos” (“Poema Orelha”), resta explorar a riqueza essa poesia ‘des’ de Manoel de Barros que, “ampliado” para formiga ou “ampliado” para menos deixa insinuar nas frestas de sua linguagem a presença de um universo sem fronteiras no espaço da poesia.

O poeta pantaneiro leva ao máximo a função de, na sua poesia, promover “o arejamento das palavras para que elas não morram a morte por fórmulas ou por lugares — comuns” (BARROS, 1990, p. 310). Para tal, ele faz referência, em Retrato do artista quando coisa, a uma Ilha Lingüística,“onde poderia germinar um idioleto” (BARROS, 2002, p. 29). Esse “lugar isolado”, como o poeta afirma, é o espaço da poesia, é o universo próprio e muito singular que ele cria para “entrar em estado de palavra” e “enxergar as coisas sem feitio” (BARROS, 2002, p. 35), “as coisas do chão”.

E Barros (2002, p. 33) insere Guimarães Rosa em sua Ilha: “Levei o Rosa na beira dos pássaros que fica no meio da Ilha Lingüística”. E por meio de um diálogo imaginário, o poeta mostra que ele e o escritor mineiro falam o mesmo idioleto: “Rosa gostava muito de frases em que entrassem pássaros. / E fez uma na hora: A tarde está no olho das garças. […] A tarde verde no olho das garças não existia, mas era fonte do ser./ Era poesia” (BARROS, 2002, p.33).

Nesse empreendimento de reinvenção da linguagem, Rosa é, sem dúvida, o escritor de quem mais Manoel de Barros se aproxima. E o pantaneiro chama a atenção, ainda, para o fato de Rosa provocar erosões morfológicas e semânticas nas palavras, de aparar-lhes as margens, de ficar, como ele, em “estado de palavra”, de gostar do “corpo fônico” delas. Mais que isso: ao rememorar, em entrevista, uma conversa com o escritor mineiro, convida-o sorrateiramente: “Temos que enlouquecer o verbo, adoecê-lo de nós, a ponto que esse verbo possa transfigurar a natureza. Humanizá-la” (BARROS, 1990, p. 34). E é isso o que se vê: um verbo enlouquecido, adoecido de Manoel, adoecido de Rosa, transfigurando a natureza a ponto de humanizá-la e alimentando uma semente genética que deságua sempre “nessa esquisita coisa de ter orgasmo com as palavras” (BARROS, 1990, p. 331).

Sobre esse propósito de desautomatizar a linguagem, seja ou não pelo enlouquecimento verbal, Jakobson (apud TOLEDO, 1978, P. 177) diz em O que é a poesia?: “É a poesia que nos protege contra a automatização, contra a ferrugem que ameaça nossa fórmula do amor e do ódio, da revolta e da reconciliação, da fé e da negação”.

A poesia e, mais que ela, a arte literária, tem, de fato, essa função de proteger contra a automatização, contra a ferrugem das fórmulas. Quando, porém, o escritor, muito singularmente, assume, dito e feito, a tarefa de iluminar o silêncio das coisas anônimas pela magia das palavras, pode-se inscrevê-las, para sempre, no Tratado das Grandezas da Poesia (para usar uma expressão barreana), sem margens com a prosa, com o verso ou com as palavras, tal como faz Manoel de Barros.

Continua no post: O poetar de Manuel de Barros (II)

Referência:
SILVA, Célia Sebastiana. Manoel de Barros: sem margens com as palavras. Fragmentos de Cultura , Goiânia, v. 19, n. 7/8, pág. 541–550, jul./atrás. 2009. Disponível em: http://seer.ucg.br/index.php/fragmentos/article/viewFile/1078/754 . Acesso em: 17 jun. 2012.

Ilustração:
Megapixel da Galáxia — FaceBook — sem o devido crédito ao autor da foto. Disponível em: https://www.facebook.com/megapixeldagalaxia

--

--

Escritora e assessora de pesquisa acadêmico-científica. Desde 1989 prestando assessoria para memoriais, teses, dissertações e monografias.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Leila Brito

Leila Brito

Escritora e assessora de pesquisa acadêmico-científica. Desde 1989 prestando assessoria para memoriais, teses, dissertações e monografias.